Quarta, 22 de Setembro de 2021
38°

Pancada de chuva

Rolim de Moura - RO

Geral Pará

Transplantes de rim na Santa Casa salvam vida de criança e adolescente no Pará

Cirurgias coincidem com o Setembro Verde, mês nacional de doação de órgãos

15/09/2021 às 09h15
Por: Anderson - Estagiário Verguia Fonte: Secom Pará
Compartilhe:

Uma criança de 10 anos, da cidade de Barcarena, no nordeste do Estado, e uma adolescente de 17 anos, de Belém, foram salvos pela equipe multiespecializada de transplante renal pediátrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará (FSCMP). Os procedimentos aconteceram durante o final de semana e na segunda-feira (13), em Belém. Ambos receberam um rim de um mesmo doador, uma criança que teve morte encefálica aos 8 anos.

A coordenadora da Central Estadual de Transplantes do Pará (CET-PA), da Secretaria de Saúde Pública (Sespa), explicou que todo o procedimento inicia com a prospecção da família de um doador morto e que, neste caso, foi ainda mais complicado por ser de uma criança. “É talvez o maior desafio do processo complexo de transplantes de órgãos, porque envolve as emoções irreparáveis de entes enlutados”, explicou Ierecê Miranda.

“Tudo inicia com a identificação de pacientes internados em UTIS (Unidades de Terapia Intensiva) com suspeita de morte encefálica. Quem são esses pacientes? São pacientes com lesão encefálica grave, como traumatismo cranioencefálico. A tendência é evoluir para morte encefálica. Deixam de responder com sinais vitais. Ante a suspeita, abre-se o protocolo de ‘morte encefálica’, realizado por no mínimo três médicos diferentes e em quatro etapas: dois diagnósticos clínicos, teste de apnéia e exame complementar, de imagem do cérebro”, detalhou.

De acordo com a profissional, todo caso de morte encefálica obrigatoriamente é notificado à CET. Se o quadro for confirmado, a família é chamada para a notícia, dentro de um contexto humanizado de acolhimento. “Junto com o médico, uma equipe intra-hospitalar de doação de órgãos conversa com a família sobre a possibilidade de doação de órgãos. Se a família aceitar, a CET passa a gerenciar a captação de órgãos: retirada, acomodação e destinação”, esclarece. 

A seleção de pacientes receptores é resultado de cruzamento de dados, como compatibilidade, a partir da ordem da lista de espera. Outra instituição fundamental para o fluxo é o Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia do Pará (Hemopa), cujos laboratórios aferem as conformidades. 

“Contamos com uma equipe de sobreaviso 24h, do laboratório de Imunogenética, composta por biomédicos, farmacêuticos e técnicos em patologia clínica. A participação do Hemopa é fundamental no fluxo dos transplantes que acontecem no estado do Pará. Sem o laboratório de Imunogenética seria impossível saber o HLA (Antígeno Leococitário Humano) dos doadores e receptores e fazer exames de compatibilidade”, destacou Maurício Koury Palmeira, biomédico e Coordenador de Laboratórios do Hemopa. 

 

Vida nova

Com um diagnóstico de nefrite sem causa definida, há dois anos e meio, Sandro (10 anos) era proibido de beber mais do que 300 ml de água por dia. O irmão caçula, Cristiano Vitório, de 5, ajudava a vigiar as vontades. Dieta e brincadeiras também eram restritas. Por conta da doença, ele até deixou de frequentar a escola, no desgaste de precisar de hemodiálise três vezes por semana e no medo que os pais tinham de que ele passasse mal na rua.

“A gente vê na TV essas histórias de doença e acha que nunca vai acontecer com a gente. Nosso filho era saudável e de repente apareceu mofino. Os médicos de Barcarena disseram que era anemia. Quando ele vomitou e desmaiou, foram descobrir a questão dos rins”, conta o pai, o eletricista Souriano Nonato Netto. 

O pai, baiano do município de Alagoinha, conheceu a esposa, Laíza Rafaela, 29, quando viajou a trabalho para Vigia, no nordeste do Pará. Laíza abandonou a atividade de comerciária para ficar com o filho. A família mora no bairro de Zita Cunha, em Barcarena. 

“Assim que tiver alta, quero tomar um banhão de chuveiro”, empolga-se o menino, cujos banhos evitavam molhar o cateter de hemodiálise.

 

O trabalho da Santa Casa

Desde 2019, com credenciamento pelo Ministério da Saúde (MS), a Santa Casa realiza transplantes renais pediátricos. Os de agora, foram o terceiro e quarto transplantes realizados. 

Para a coordenadora do serviço de nefrologia pediátrica e coordenadora do Programa de Transplante Renal Pediátrico da Santa Casa, a nefrologista Monik Calandrini, os dias das cirurgias de Sandro e Kayla foram “especiais”, sobretudo pelo contexto do Setembro Verde e por a Santa Casa ser referência tanto para tratamento dialítico, quanto para transplante de rim em crianças e adolescentes no Pará.  

“Existe uma organização muito rigorosa e emblemática para que um rim venha de um doador e chegue a um receptor com segurança. É seguida a ordem de crianças inscritas previamente, no âmbito do Sistema Estadual de Transplantes [SET] e do Sistema Nacional de Transplantes [SNT]. A seleção inclui avaliação clínica, avaliação laboratorial e avaliação imunológica, que é o resultado da prova-cruzada, que diz se o receptor pode receber o rim do doador, se o receptor não vai formar anticorpos em relação ao rim”, detalha.

Segundo ela, “o transplante renal é um tratamento para a doença renal crônica em crianças, não é a cura: muda de verdade a qualidade de vida e permite que a criança cresça, se desenvolva, em um nível bem similar ao fisiológico”, completa. 

O cirurgião pediátrico Eduardo Amoras, do staff da Santa Casa, explana que os pacientes com doença renal crônica dialítica passavam boa parte do seu tempo dentro da Unidade de Terapia Substitutiva Renal fazendo hemodiálise. “A hemodiálise é feita três vezes por semana, em média, e às vezes até todo dia, em algumas situações. A qualidade de vida com uma criança, de um adolescente, de um adulto é praticamente toda voltada à sua sobrevivência à custa da hemodiálise. Quando esse paciente transplanta o rim, ele sai dessa condição dialítica e volta para uma saúde próxima do normal, podendo estabelecer novamente seu vínculo com a escola, com os amigos, com o lazer”, pontua. 

No Serviço de Terapia Substitutiva da Santa Casa, são hoje 26 crianças, de todos os municípios do Pará, em tratamento com hemodiálise e a espera de transplante.

Conforme o Centro Estadual de Transplantes são, na atualidade, 31 pacientes, entre crianças e adolescentes até 17 anos, na fila de espera de transplante de rim no Pará.

Texto: Ascom Santa Casa

Por Luana Laboissiere (SECOM)
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Rolim de Moura - RO Atualizado às 09h21 - Fonte: ClimaTempo
38°
Pancada de chuva

Mín. 25° Máx. 38°

Qui 36°C 25°C
Sex 37°C 24°C
Sáb 36°C 25°C
Dom 35°C 23°C
Seg 36°C 25°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias