Verguia
Anuncie aqui
Marmita Fit
Viviane Oliveira
#Assassina confessa

Para a policia o pai pode ter sido dopado pela mãe da criança durante assassinato da filha de 2 anos

O enterro da menina foi nesta sexta-feira (14), às 8h, no Cemitério de Padre Bernardo (GO), a 120 km do centro de Brasília.

14/02/2020 16h28
Por: Redação Verguia
Fonte: Correio Braziliense
O Corpo da bebê foi encontrado no quarto da quitinete (foto: Reprodução/Instagram)
O Corpo da bebê foi encontrado no quarto da quitinete (foto: Reprodução/Instagram)

Uma tragédia comoveu moradores da Colônia Agrícola Samambaia, em Vicente Pires, nesta quinta-feira (13).

A pequena Júlia Felix de Moraes, 2 anos, foi morta a facadas, e a mãe é a principal suspeita. A possibilidade de envolvimento do pai foi descartada no fim da noite. A polícia apura, agora, se ele teria sido dopado antes do homicídio. O crime aconteceu durante a madrugada, em uma quitinete, onde a bebê foi assassinada por asfixia e com dois golpes de faca no tórax. Laryssa Yasmin Pires de Moraes, 21, acabou presa em flagrante, e, depois de confrontada com provas, confessou a autoria.

O enterro da menina foi nesta sexta-feira (14), às 8h, no Cemitério de Padre Bernardo (GO), a 120 km do centro de Brasília.

Durante a tarde de ontem (13), agentes da 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro) estiveram no apartamento para complementar a perícia e encontraram um colchão de berço ensanguentado.

O item foi essencial para confrontar as versões de Laryssa Yasmin, cujos depoimentos divergiam das informações prestadas pelo pai. “Ele praticamente se petrificou diante das acusações. Não conseguia mais nem se defender. Por isso, o caso subiu e desceu: começou com ela se acusando, depois ela negando e acusando ele. A gente buscou os elementos (necessários para descobrir a dinâmica do crime)”, afirmou o delegado Josué Ribeiro.

Inicialmente, a polícia acreditava que a criança tivesse sido esfaqueada no único quarto do imóvel, onde foi encontrada uma poça de sangue. Depois de os investigadores acharem o colchão escondido na área de serviço, a versão do pai da criança ganhou evidência. De acordo com o delegado, Laryssa Yasmin teria levantado por volta das 5hs30 e levou a criança à cozinha, onde tentou desferir a primeira facada, próxima ao pescoço de Júlia.

Depois de a criança acordar e começar a chorar, ela sufocou a menina e a esfaqueou duas vezes no tórax. Em seguida, voltou ao quarto e, com outra faca, tentou agredir o pai de Júlia, um jovem de 25 anos, que sofreu um corte no rosto.

Após desarmar Laryssa Yasmin, o jovem ligou para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A gravação, periciada pela polícia, serviu para desmentir argumentos apresentados pela mãe de que ela teria atacado o pai da menina por acreditar que ele a acusava da morte da criança. Enquanto isso, o rapaz a via ocultar o colchão e limpar as facas usadas no crime.

 

Trabalho da perícia começou às 10hs da quinta-feira (13); à tarde, investigadores acharam colchão ensanguentado escondido. Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Trabalho da perícia começou às 10hs da quinta-feira (13); à tarde, investigadores acharam colchão ensanguentado escondido. Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

 

Versões

Moradores do prédio disseram que acordaram durante a madrugada após ouvirem um barulho semelhante ao de uma cama sendo arrastada, mas não ouviram gritos ou choro de criança. Vizinhos bateram à porta da quitinete. O pai respondeu que a filha havia sido assassinada e que acordou com uma faca apontada para o rosto dele. Laryssa não tinha antecedentes criminais.

A mãe chegou a assumir o crime em um primeiro momento, mas mudou a versão ao prestar depoimento durante a tarde e relatou que dormia quando escutou os gritos da filha.

A equipe de perícia chegou ao local por volta das 10h desta quinta-feira (13), e o corpo de Júlia foi retirado do apartamento por volta das 11h. Para confirmar ou refutar a versão do pai, que disse ter sido atacado na cama, os agentes solicitaram um exame de corpo de delito. O jovem foi levado algemado ao Instituto de Medicina Legal (IML), por volta das 16hs. Ele ficou detido em um carro da Polícia Civil até que um laudo preliminar ficasse pronto.

Papiloscopistas também avaliam todas as facas encontradas na quitinete. “Como o corte do pai foi superficial, não ficou sangue no objeto. Por isso, não foi possível precisar qual arma foi usada”, detalhou Josué Ribeiro.

Em depoimento, Laryssa Yasmin e o pai da criança afirmaram não ter mais um relacionamento amoroso. No nome dela, há uma empresa especializada em comércio de equipamentos e suprimentos de informática, com sede na Asa Norte. O Correio esteve no local, mas não encontrou a firma e não conseguiu contato por meio de nenhum dos três telefones associados à loja.

Ativa nas redes sociais, a mãe costumava publicar fotos, vídeos e declarações para a filha. “Mamãe te ama infinitamente, Júlia!”, dizia uma postagem. “Minha existência é completamente dedicada a você” e “A melhor versão da minha felicidade”, escreveu em posts no Instagram e Facebook. Nas últimas semanas, a jovem chegou a compartilhar notícias e artigos sobre crimes, como “Pai biológico estupra e mata bebê de 13 dias” e “A primeira obrigação de um bom pai é respeitar a mãe dos seus filhos”.

Família levava vida discreta

O pai de Júlia Felix de Moraes, um jovem de 25 anos, morava em um apartamento de Vicente Pires havia um ano. Laryssa e a criança se mudaram para a quitinete em dezembro. Segundo vizinhos, a família tinha um perfil tranquilo. Na manhã desta quinta-feira (13/2), enquanto a polícia periciava o apartamento, moradores e comerciantes das proximidades se perguntavam o que teria acontecido.

Na região, pouco se sabe sobre o casal. “Só via eles entrarem e saírem. Como trabalho aqui, vejo quem sai, quem passa e quem entra. Mas nós não tínhamos contato. A menininha jogava brinquedos aqui embaixo. A mãe vinha, pegava e subia. Mas ninguém a conhecia. Só de vista. Eles eram na deles”, disse uma comerciante que preferiu não se identificar.

Proprietária do prédio onde os três moravam, Maria Gilmara Sousa, 44, conta que viu a mãe da menina duas vezes e que o casal não causava transtornos. Não houve relatos de gritos ou broncas dos pais com a neném. “Os vizinhos falavam que não tinha confusão nenhuma. Conversei com minhas inquilinas, e elas nunca viram problema com eles. Não tinha uma reclamação”, pontuou.

Gravidez

Tio paterno de Júlia, Igor Félix, 23, convivia com os pais da menina diariamente. Ele contou que, a poucas horas do crime, nada parecia estar fora do normal. “Vinha almoçar todo dia aqui (na quitinete). Eu ia morar com ele futuramente. Ontem (quarta-feira), vim na hora do almoço. Estava tudo tranquilo. Todo mundo rindo e conversando”, relatou. Segundo ele, a mãe deixaria o imóvel em breve. “Ele (o pai) só a recebeu aqui para ajudá-la. Ela saiu da casa da avó (em Padre Bernardo), veio para Brasília e pediu para ficar por um tempo. Até passamos o ano-novo juntos no apartamento. Os quatro. Ela veio morar até se estabilizar e iria embora nos próximos dias.”

Os pais da criança se conheceram em Padre Bernardo, antes de a jovem engravidar. “Eles namoraram uma época e, depois, se separaram. Mas como muitos casais, tiveram algumas recaídas. Ficaram uma ou duas vezes, e ela engravidou. Ela cuidava da criança. Ele pagava pensão e dava a assistência necessária”, contou Igor. “Estamos muito revoltados”, acrescentou.

Memória

Bernardo da Silva Marques Osório, 1 ano e 11 meses, foi envenenado pelo pai, Paulo Roberto Caldas Osório (foto), após sair da creche, na Asa Sul. Ao chegar à casa do pai, no Lago Sul, passou mal e vomitou. Paulo colocou remédios para dormir no suco do menino. Ao constatar a morte, levou o corpo do menino para as margens da BR-020 e fugiu para a Bahia. Foi preso e confessou o assassinato. Ele já havia ficado preso por 10 anos por matar a própria mãe, em 1992.

1º de junho de 2019

Rhuan Maycon da Silva Castro, 9 anos, foi assassinado pela mãe, Rosana Auri da Silva Cândido, e pela companheira dela, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa. O crime aconteceu em Samambaia Norte. A criança dormia quando foi atingida por diversas facadas. A dupla tentou queimar os restos mortais do menino em uma churrasqueira, mas desistiu e os esconderam dentro de uma mala e de duas mochilas, jogadas em um bueiro. Rosana e Kacyla (foto) estão presas.

11 de abril de 2017

Um homem que andava de jet ski nas imediações da QL 12 do Lago Sul encontrou o corpo de um bebê boiando na altura da Península dos Ministros. A criança, de 5 meses, havia sido jogada na água pela mãe, que sofria de problemas psicológicos. Ela foi encontrada em cima de uma árvore, cinco dias depois do crime. Em maio de 2018, devido ao quadro de saúde da ré, a Justiça a absolveu e determinou que ela recebesse atendimento psiquiátrico por, ao menos, três anos. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Rolim de Moura - RO
Atualizado às 05h37
24°
Muitas nuvens Máxima: 33° - Mínima: 24°
24°

Sensação

7.7 km/h

Vento

95.8%

Umidade

Fonte: Climatempo
Pipa
Waw cursos
Leo Pizzas
Viviane Oliveira
Leo Envelopamentos
Municípios
Othon Producoes
Elson Moraes
Carlinhos frente
Carlinhos verso
Últimas notícias
Mais lidas