Verguia
Anuncie aqui
Marmita Fit
Viviane Oliveira
Dengue mata

Paraná registra primeiro óbito por dengue do novo período epidemiológico

O novo período epidemiológico começou em agosto deste ano e segue até julho de 2020.

Acs Mirian Santos

Acs Mirian SantosMirian dos Santos Almeida, 39 anos. É mãe, esposa, formada em Tecnologia em Gestão Ambiental pela Unopar – Universidade do Norte do Paraná, Evangélica, ACS - Agente Comunitária de Saúde - no Município de Rolim de Moura- RO por mais de 10 anos. Mirian usará esse espaço para falar sobre saúde, informar sobre atividades do SUS e informações sobre o cotidiano dos Agentes de Saúde no modo em geral. Seu canal de informações Comente, compartilhe

26/11/2019 13h21
Por: Mirian dos Santos Almeida
Fonte: Sesa-PR
Foto: Reprodução/Sesa-PR
Foto: Reprodução/Sesa-PR

O Paraná registrou o primeiro óbito por dengue no período epidemiológico.

A morte foi registrada no município de Nova Cantu, localizado na região Centro-Oeste do Estado. Uma mulher de 31 anos, apresentando quadro de anemia crônica, como fator de risco. O óbito foi registrado no dia 17 de novembro.

O novo período epidemiológico começou em agosto deste ano e segue até julho de 2020.

 “A situação da dengue no Paraná é grave e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) alerta a toda a população para que adote urgentemente as medidas preventivas da doença, com uma verificação detalhada nos quintais, terrenos e ambientes internos das residências, eliminando os pontos que acumulam água parada, que podem se transformar em criadouros do mosquito da dengue. A maioria dos focos do mosquito está em ambientes domiciliares e precisamos de uma ação urgente de toda a sociedade no combate ao mosquito. Dengue mata”, afirma o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O boletim semanal da dengue divulgado nesta terça-feira (26) pela Sesa registra 330 novos casos confirmados. Deste total, 135 foram apontados no município de Nova Cantu; 78 em Quinta do Sol, na mesma região, e 25 em Cianorte, no Noroeste do Estado.

Do início deste período epidemiológico, em 28 de julho, até agora, o Paraná soma 1.564 casos confirmados. Na semana passada eram 1.234; o aumento foi de 26,7%.

São 1.194 casos de dengue adquiridos na cidade de residência, chamados de casos autóctones. E, 29 casos são “importados”, que significa que a pessoa contraiu a doença fora da cidade onde reside.

Alerta

– Dez municípios estão em situação de alerta para a dengue: Lindoeste, Juranda, Douradina, Indianópolis, São Carlos do Ivaí, Flórida, Munhoz de Mello, Florestópolis, Leópolis e Uraí.

E sete municípios já estão no patamar de epidemia: Nova Cantu, Quinta do Sol, Inajá, Santa Isabel do Ivaí, Ângulo, Floraí e Uniflor.

As 22 Regionais de Saúde do Estado registram notificações para a dengue, totalizando 11.308 no período monitorado.

Chikungunya

– O Estado registra nesta semana mais um caso de chikungunya, em Toledo. É um caso “importado”; a paciente de 23 anos contraiu a doença na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. O caso evoluiu para cura e a mulher passa bem.

São cinco casos de chikungunya no Paraná. Os outros casos foram registrados em Araucária, Curitiba, Foz do Iguaçu e Maringá. Todos são importados, ou seja, não foram adquiridos na cidade de residência do infectado.

Orientação

– O Governo do Paraná e a Secretaria de Estado da Saúde desenvolvem várias ações de combate à dengue em parceria com os municípios e orienta sobre os perigos da dengue, em campanha veiculada em todo o Estado.

“O recado principal é que a dengue mata e que a eliminação de criadouros do mosquito “Aedes Aegypti”, transmissor da doença, depende da participação de todos nós, não deixando acumular água parada. Os locais mais comuns para a formação de criadouros ainda são os pratinhos de vasos de plantas, pneus, garrafas, ralos, calhas, lajes, entulhos, lixeiras e coletor de água das geladeiras e ar condicionado”, destaca Ronaldo Trevisan, da Coordenadoria de Vigilância Ambiental da Sesa.

 “Além destes pontos, é preciso também uma vistoria minuciosa nas caixas d´água, cisternas e poços, tonéis e depósitos de água e, inclusive, nas falhas de reboco das paredes, muros e fossas. Tudo deve ser mantido limpo e fechado para não se transformar em criadouro. Temos que acabar com esta situação endêmica no Paraná e evitar óbitos. O verão começa no mês que vem e o número de pessoas doentes pode aumentar em todas as regiões caso as medidas preventivas não sejam adotadas pela população”, complementa Ronaldo Trevisan.

Período anterior

– No período anterior, de julho de 2018 a julho de 2019, o Paraná totalizou 22.946 casos confirmados dengue e 23 óbitos.

Os óbitos foram registrados em Londrina (9), Cascavel (4), Paranavaí (3), Foz do Iguaçu (3), Maringá (2), Campo Mourão (1) e Cornélio Procópio (1).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Rolim de Moura - RO
Atualizado às 23h48
27°
Muitas nuvens Máxima: 32° - Mínima: 24°
31°

Sensação

5.7 km/h

Vento

86.3%

Umidade

Fonte: Climatempo
Promoções em serviços
Leo Envelopamentos
Viviane Oliveira
Pipa
Waw cursos
Leo Pizzas
Municípios
Carlinhos frente
Elson Moraes
Carlinhos verso
Othon Producoes
Últimas notícias
Mais lidas