Brasil #Segunda_Onda
2.ª onda do covid é tão ou mais grave do que primeira, relata médicos
Quanto aos óbitos, a tendência é igualmente de subida para 69,1%, ou seja, praticamente sete em cada dez médicos do país.
03/02/2021 14h39
Por: Redação Verguia Fonte: Redação com Assessoria da AMB
Imagem Ilustrativa

Em cada dez médicos brasileiros que atuam na linha de frente no combate à covid-19, oito consideram a segunda onda tão ou mais grave do que a primeira, segundo uma sondagem divulgada hoje pela Associação Médica Brasileira (AMB).

O levantamento chamado “Os médicos e a pandemia de covid-19” mostrou que sete em cada dez médicos apontam para uma tendência no aumento do número de mortes no Brasil.

Questionados sobre a situação atual de casos nas unidades que atendem pacientes com suspeita ou já com covid-19, 91,5% dos médicos observaram uma tendência para um agravamento em algum grau, diz a sondagem da AMB.

Quanto aos óbitos, a tendência é igualmente de subida para 69,1%, ou seja, praticamente sete em cada dez médicos do país.

Segundo a mesma sondagem, oito em cada dez médicos criticam a desativação, no final de 2020, dos hospitais de campanha montados em alguns estados do país para atender pacientes com covid-19.

A maioria dos profissionais da área da saúde consultados na sondagem indicaram problemas no fornecimento de consumíveis básicos e equipamentos para tratamento de pacientes com a doença.

Ao todo, 64% dos médicos que responderam ao inquérito apontaram deficiências básicas nos locais em que prestam atenção à pandemia de covid-19.

Segundo a AMB, 5,9% dos médicos relataram que faltam respiradores para atender pacientes, 11% relataram falta de medicamentos como bloqueadores neuromusculares e sedativos, 16,6% relataram falta de máscaras, luvas e equipamentos de proteção.

Já 20,3% citaram a falta de camas para internamento de pacientes, 27,2% relataram que faltaram diretrizes ou orientação para os médicos na pandemia e 32,5% referiram a falta de médicos, enfermeiros e outros profissionais.

A sondagem indicou que quase 25% dos médicos que responderam a pesquisa tiveram covid-19. Enquanto a relação de casos de covid-19 entre os 210 milhões de brasileiros é de 4,3%, a razão entre os médicos da linha de frente pesquisados é de 23,4%.

Questionados sobre medicamentos sem comprovação científica de eficácia que têm sido receitados no tratamento da doença provocada pelo novo coronavírus no Brasil, mais de um quarto dos médicos disse acreditar na eficácia da cloroquina.

Os dados mostraram que 65,3% dos médicos brasileiros consideram a cloroquina ineficaz, cerca de 2,3% dos médicos apontam a substância eficaz para prevenção, 28,2% dizem que é eficaz para as manifestações iniciais da covid-19, 3,1% eficaz apenas quando a doença está instalada e 1,1% considerou o medicamento eficaz apenas no caso de um quadro clínico mais grave.

Já a ivermectina, um remédio contra piolhos e sarna que também não tem comprovação científica contra a covid-19 e tem sido receitado no Brasil, foi considerado eficaz em pacientes na fase inicial dos sintomas da covid-19 por 24% dos médicos entrevistados.

Cerca de 58,6% dos médicos brasileiros consideram a ivermectina ineficaz, 15,3% dizem que a substância é eficaz para prevenção da covid-19, 1,9% eficaz apenas quando a doença está instalada e 0,2% considerou o medicamento eficaz apenas no caso de um quadro grave.

A sondagem contou com a participação de 3.882 profissionais de Medicina de todas as regiões do país e foi em janeiro de 2021. O levantamento tem uma margem de erro de 1,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

O Brasil é um dos países mais atingidos no mundo pela pandemia, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (225.099, em mais de 9,2 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.237.990 mortos resultantes de mais de 103,3 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.