Verguia
Pedir Música Chat
Quinta, 24 de Setembro de 2020 20:27
+55 69 9 8432 5660
Esportes #Basquete

Protagonista, Damiris disputa vaga na semifinal da WNBA

Não à toa, a ala-pivô, de 27 anos, teve o contrato renovado por mais duas temporadas antes mesmo da atual terminar.

17/09/2020 07h45 Atualizada há 1 semana
Por: Redação Verguia
© NBAE/Getty Images/Direitos Reservados
© NBAE/Getty Images/Direitos Reservados
.

Se destacar no mais importante campeonato da modalidade é motivo de orgulho para um atleta. Não é diferente com Damiris Dantas. Única brasileira na WNBA (liga norte-americana de basquete feminino), ela é peça-chave do Minnesota Lynx, que disputa vaga nas semifinais nesta quinta-feira (17), contra o Phoenix Mercury às 20h (horário de Brasília).

Não à toa, a ala-pivô, de 27 anos, teve o contrato renovado por mais duas temporadas antes mesmo da atual terminar.

"Aconteceu na semana passada, quando a técnica fez contato com a minha empresária. Fiquei meio surpresa, porque esperava que isso acontecesse só depois da temporada, mas fiquei muito feliz. Nem tive muito o que pensar. Fizemos um acordo e assinei. Sim, isso tira um pouquinho do peso das costas. É aquele pensamento: já estou dentro. Agora é só me preocupar em jogar mais dois anos no time e terminar bem essa temporada", afirmou a paulista em entrevista coletiva por videoconferência.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

She’s stickin’ with us. Congrats, DD!!!

Uma publicação compartilhada por minnesotalynx (@minnesotalynx) em 10 de Set, 2020 às 11:41 PDT

Damiris é uma das únicas três atletas do Lynx que foi titular em todas as partidas da fase de classificação, com média superior a 26 minutos em quadra por duelo. Na atual temporada, ela quebrou o recorde pessoal de pontos em um jogo, assinalando 28 na vitória de 86 a 83 sobre o Chicago Sky, no dia 2 de setembro, com 100% de aproveitamento nas bolas de três pontos.

Foi a quinta melhor atuação de um atleta brasileiro, homem ou mulher, no basquete norte-americano.

"A técnica queria isso de mim, que eu jogasse mais, chamasse a responsabilidade, que teria mais jogadas para definir. Isso foi acontecendo e fui me soltando mais", explicou a ala-pivô, que teve que se adaptar a uma nova função em quadra após a lesão da experiente pivô Sylvia Fowles, tricampeã olímpica pela seleção dos Estados Unidos.

"Quando a Syl se machucou, ficamos sem uma pivô e a técnica falou para mim: é você. É uma posição nova, que joguei faz muito tempo. A Syl faz uma falta grande para o time, dá uma segurança grande. Tive que assimilar a responsabilidade, mas foi uma coisa natural. O time foi me ajudando e os números melhorando. Estou feliz com meu desempenho na temporada regular e espero seguir assim nos playoffs", disse a paulista, que está na sexta temporada na WNBA.

Damiris busca o primeiro título na liga norte-americana. A ala-pivô foi revelada no instituto da ex-jogadora Janeth, campeã mundial pela seleção brasileira em 1994, e maior jogadora do país na história da WNBA, atuando pelo Houston Comets, com quatro conquistas entre 1997 (na primeira edição do campeonato) e 2000. Em 2001, ela fez parte da equipe ideal da competição.

Mata mata

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) obrigou o calendário da WNBA a ser readequado. Assim como a NBA, que é a liga masculina, o torneio feminino ocorre em uma bolha, com jogadoras e comissões técnicas seguindo protocolos rigorosos de saúde e se enfrentando sem presença de público na IMG Academy, em Bradenton (Flórida).

Já o mata-mata segue com o formato adotado desde 2016, com partidas únicas entre os times nas duas primeiras fases. Nas semifinais e na decisão, as equipes se enfrentam em uma melhor de cinco.

O Minnesota Lynx, franquia de Damiris, fez a quarta melhor campanha da etapa classificatória e foi direto à segunda fase, para enfrentar o ganhador de Phoenix Mercury e Washington Mystics, atual campeão.

"Escolher adversário não é muito a minha praia, porque na WNBA não tem jogo fácil", comentou a brasileira na terça-feira (15), horas antes da partida, admitindo preferência pelo formato atual do playoff.

"É mais rápido, sem aquela pressão toda. Se perdeu, vai embora. Se ganhou, vai para a outra fase", resumiu.

Uma cesta da armadora Shey Peddy, a menos de um segundo do fim, decretou a vitória do Mercury por 85 a 84, classificando o time para encarar o Lynx. Será o terceiro duelo entre as equipes na temporada. Em 21 de agosto, o time de Damiris venceu por 90 a 80, com a brasileira marcando 19 pontos, com três assistências e seis rebotes.

Nove dias depois, a franquia de Phoenix deu o troco e fez 83 a 79, com a paulista anotando nove pontos na partida.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Go big or go home.

Uma publicação compartilhada por minnesotalynx (@minnesotalynx) em 16 de Set, 2020 às 2:04 PDT

Quem avançar no confronto entre Lynx e Mercury enfrenta, em uma das semifinais, o Las Vegas Aces, time de melhor campanha na fase regular, com 18 vitórias e quatro derrotas.

Edição: Fábio Lisboa

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Rolim de Moura - RO
Atualizado às 21h19 - Fonte: Climatempo
29°
Pancada de chuva

Mín. 23° Máx. 36°

31° Sensação
8 km/h Vento
58.5% Umidade do ar
67% (6mm) Chance de chuva
Amanhã (25/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 36°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Sábado (26/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 35°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Ele1 - Criar site de notícias